Quem Somos

A Voog é uma empresa de Assessoria e Consultoria especializada em gestão empresarial. Temos como propósito trabalhar lado a lado com nossos clientes, ajudando-os a reduzir incertezas e aproveitar as oportunidades, de modo a manter e melhorar a qualidade de sua força de trabalho, por meio do desenvolvimento de serviços, estratégias e planejamentos para o funcionamento eficaz do negócio. Dentre a nossa carteira fazem parte todos os tipos de organizações, desde as pequenas empresas familiares até firmas de médio porte e órgãos do setor público. Eles recorrem à Voog em busca de padrões consistentes de atendimento para planejar, controlar e organizar seus negócios, visando a melhora da performance financeira, redução de custos e despesas e alavancagem de resultados da organização.

Sabemos que para cumprir com os nossos desígnios, devemos ganhar o respeito e a confiança de todos com quem lidamos. É por isso que os princípios de integridade; ética; comprometimento e foco no cliente estão enraizadas em nossa cultura. Esses valores são o alicerce dos nossos negócios e orientam como trabalhamos.

Missão

Voog na língua africâner significa guardião, então, honrando o nosso propósito temos como missão auxiliar empresas e negócios a reagir às mudanças na economia global, através da implementação de soluções personalizadas e práticas que contribuam para o desenvolvimento de melhores maneiras de controles de processos e procedimentos administrativos para uma gestão de sucesso.

Visão

Tornar uma marca provedora de soluções personalizadas e práticas às empresas dinâmicas. Comprometida a ser inovadora e receptivas, oferecendo serviços de alta qualidade capaz de satisfazer de forma consistente as preferências dos clientes em constante mudança.

Valores

Integridade

Atuar como parceiro dos clientes e profissionais, sem iludir, ocultar ou omitir informações meritórias. Este compromisso edifica laços duradouros com os clientes e impulsiona a gestão da nossa empresa.

Ética

Manter o sigilo de informações dos clientes, o que reforça o nosso caráter de idoneidade, manifesto em consonância com todas as ações de serviços.

Comprometimento

 Entregar o serviço contratado, independentemente do valor acertado

Foco no cliente

Os serviços são personalizados, simples e prática graças à visão global que a Voog possui das necessidades de seus clientes, além de prezar pela qualidade no atendimento.

O direcionamento dos nossos negócios é tão importante quanto o modo como esses são executados. Assim, o nosso Código de Conduta e as políticas corporativas reproduzem aos nossos colaboradores o que seria exemplo de uma conduta idônea e ética.

Acesse o Código de Conduta

Serviços

Os nossos serviços estão voltados a consultoria e assessoramento de sociedades empresariais e a administração pública nas áreas que englobam assuntos ambientais, econômico-financeiros e jurídicos possibilitando uma visão mais ampla do negócio e a promoção de ações e melhorias nos processos gerenciais para o êxito no ramo de atuação. Conheça nossos serviços:

Administração Financeira

Consultoria e assessoria direcionada para controlar da forma mais eficaz a entrada e saída dos recursos financeiros, por meio do planejamento, analise de investimentos e o controle das atividades financeiras visando a melhora dos resultados apresentados, maximização dos investimentos e geração de lucro líquido nas organizações.

Administração Orçamentária

Elaboração do Plano Operacional já com as reduções de custos previamente definidos. Utilizando uma meta de faturamento para que a empresa consiga cumprir com suas obrigações financeiras, entre elas os pagamentos dos fornecedores, funcionários, impostos. O serviço de assessoramento consiste no acompanhamento mensal do alcance das metas, depois do fechamento de cada mês.

Administração de Custos

Elaboração de diagnóstico financeiro do demonstrativo de resultado do exercício, que possibilita ao tomador de decisão identificar com precisão o seu cenário e a verdadeira realidade de sua empresa. O estudo consiste no planejamento de redução de custos em todas as áreas, principalmente no requisito custo com mão de obra, administrativo, financeiro e entre outros, adequando os valores dentro da possibilidade de caixa que a empresa dispõe.

Planejamento Estratégico Empresarial

Serviços de assessoria com o objetivo de planejar a criação de uma nova unidade de negócios, focando nas principais ideias e objetivos dos empreendedores em relação à empresa, em conjunto com um Planejamento Financeiro. O estudo consiste em apresentar a avaliação da empresa, através de uma ampla análise realizada no âmbito do empreendimento. As análises envolvem o entendimento da empresa, do fluxos de caixa, projetar cenários, por intermédio de levantamento da situação econômica, financeira, risco de inadimplência e endividamento.

Administração da Produção e Qualidade

Serviço dirigido ao desenvolvimento de Sistemas de Gestão da Produção, da Qualidade e Ambiental nas áreas industrial e de serviço considerando os recursos, processos e a própria organização da Empresa, assegurando rápida adequação e implementação.

Organização, Métodos e Programas de Trabalho

Serviços de assessoria voltados a promover ações e melhorias nos processos gerenciais da empresa, com foco em estabelecer metas de curto, médio e longo prazo, com a aplicação de ferramentas da qualidade específicas, de modo a promover a qualidade no ambiente de trabalho, identificar e mensurar processos internos. O trabalho envolve deste a implantação do programa 5S, mapeamento de processos, aplicação de rotinas de trabalho, até a criação de procedimentos e instruções técnicas.

Registro de Marcas

Serviço de entrada no depósito do pedido de registro da marca junto ao INPI, assim como acompanhamento do exame do pedido nas publicações da Revista de Propriedade Industrial, até o deferimento e concessão do registro da marca, de modo a garantir ao seu proprietário o direito de uso exclusivo em todo o território nacional.

Consultoria Certificação OEA, ISO 9001, 17025 e 14001

Assessoria e consultoria na implantação de Sistemas da Qualidade avaliação da adequação perante as normas NBR ISO 17025 e/ou NBR ISO 9001 e/ou NBR 14001 e /ou Certificação de Operador Econômico Autorizado - OEA. Também realizar auditorias para avaliação do estágio de implantação destas normas, bem como, para diagnóstico, indicando as principais oportunidades de melhoria.

Treinamentos e Palestras in Company

Os programas estão voltados para o desenvolvimento técnico, comportamental, administração do tempo e palestras motivacionais. Nossos treinamentos e palestras são especialmente adaptados para cada empresa, conforme suas particularidades, de modo a promover as mudanças necessárias e capacitação corporativa.

Direito do Consumidor

Consultoria e pareceres tanto para empresas quanto à consumidores direitos e indiretos, bem como elaboração de defesas em processos administrativos e judiciais que envolvam relações de consumo.

Direito Empresarial

Cobrança de créditos; Elaboração / Análise de contratos que se fizerem necessários [locação, permuta, arrendamento, etc.].

Direito Societário

Elaboração de atos constitutivos de pessoas jurídicas, assim como eventuais alterações estatutárias necessárias; Acompanhamento em processos administrativos, judiciais e resoluções de impasses por meio de mediação e arbitragem.

Direito Civil

Obrigações e Responsabilidade Civil; Posse e propriedade; Direito de Família [divórcio, alimentos, regime de bens, pacto antenupciais, contratos de convivências]; Sucessões e Inventários.

Consultoria Jurídica

Serviço prestado por meio de advocacia preventiva, visando a redução de riscos ao cliente, onde o profissional realiza a análise prévia das situações apresentadas, com a emissão de respectivos pareceres jurídicos.

Publicações

Nosso grande desafio: o auto-conhecimento

Você já ouviu falar na história da Águia e da Galinha? Apresentada por Leonardo Boff, ele cita o educador James Aggrey, de Gana. Na história, uma águia que é criada como galinha tem uma grande dificuldade de voltar a se ver como águia - depois de diversas tentativas, apenas a vista de um horizonte amplo e aberto lhe permite voltar a abrir suas asas e retomar sua grandiosidade. É um paralelo muito simples com nosso mundo cotidiano - piegas até. Mas será que percebemos mesmo o quanto ampliar nossa visão de mundo pode permitir a expansão do nosso próprio potencial? Será que, olhando este pequeno texto, é possível ver em nós mesmos aquela vocação que deixamos passar despercebida? É certo que todos temos escolhas a fazer no nosso percurso, e essas escolhas esconderão algumas de nossas potencialidades: ao seguir a carreira médica, por exemplo, você abdicou da física ou do jornalismo, algumas vezes. Todas essas potencialidades estarão lá, 10 ou 40 anos depois. Resta saber se é importante para você desenvolvê-las ou não. Evitar a mecanicidade na vida, manter os olhos abertos, buscar o novo e ampliar nossos horizontes. São tantas as formas de não nos tornarmos necessariamente galinha sem termos nascido para isso - basta escolher. Ah… Mas escolher depende de nós mesmo, somente, e isso, por vezes, é tremendamente difícil. 

O mito da caverna, a metáfora que retrata a condição humana de ignorância

Platão foi um filósofo muito importante para a nossa história, referência que é amplamente citada em trabalhos acadêmicos, ambientes corporativos, rodas de conversa, artigos e livros até os dias atuais, mesmo muito tempo depois de sua morte. Ele viveu de 428 a. C. a 348 a. C. na cidade de Atenas, na Grécia Antiga e seu legado como pensador é muito extenso, deixando uma bela obra prima a ser apreciada.

 

Além de filósofo, também foi matemático, tendo como Sócrates seu mentor, outro grande pensador muito importante nos estudos da filosofia até hoje. O mito da caverna (também conhecido por alegoria da caverna ou até mesmo parábola da caverna), um de seus trabalhos mais conhecidos, consiste numa metáfora que explora o conhecimento sobre a verdade.

 

Um resumo da história do mito da caverna

 

A história consiste em uma caverna onde um grupo de pessoas passou a vida inteira acorrentado, desde toda a sua infância, não tendo contato com o mundo fora deste ambiente em momento algum. Além disso, atrás deles encontra-se uma fogueira, que projeta sombras na parede, única coisa que os prisioneiros conseguiam visualizar em toda a sua vida. Essa sombra é formada por pessoas carregando coisas, por exemplo, apresentando uma visão distorcida da realidade para os prisioneiros.

 

Certo dia, um desses prisioneiros consegue se soltar das amarras, correndo para fora da caverna e avistando o mundo exterior. De imediato ele se depara com a luz do dia, que machuca seus olhos, já que não estava acostumado a lidar com esse tipo de intensidade de iluminação em seu rosto. Num segundo momento de descoberta, ele avista a fogueira pela primeira vez em toda a sua vida, junto com as pessoas carregando coisas que passam na frente do fogo, percebendo e entendendo o cenário verdadeiro da caverna, e de que aquelas aberrações que apareciam para ele nas paredes - e que causavam tanto medo e espanto -, não passam de imagens distorcidas da realidade, projetadas pelo contraste da luz da fogueira.

 

A importância da análise sobre a metáfora

 

A metáfora que Platão nos força a analisar e comparar com nosso o mundo real - e o que a torna tão atual nos dias de hoje - é que, ao estarmos nos deparando com informações sem investigá-las ou estudá-las a fundo, estaremos sempre absorvendo informações distorcidas da realidade. Da mesma forma, o ato de libertação literal do prisioneiro pode ser interpretada como uma libertação metafórica do ser humano ao se deparar com o conhecimento.

 

Conhecer essa história é muito importante para darmos valor ao nosso senso crítico e para as escolhas que podemos fazer a partir das informações que coletamos, estudamos e analisamos ao longo de nossas vidas, para que possamos decidir, com embasamento, questões difíceis entre certo e errado, moral e imoral.

Qual é o preço de uma gestão de Gestão de Risco ineficaz?

A tendência atual, no contexto da globalização econômica no mundo, apresenta um grande desafio, que é fazer com que as corporações tenham capacidade de se organizar e de se adaptar às rápidas mudanças de um mercado cada vez mais dinâmico, competitivo e complexo.

A falta de informações fidedignas e clareza na definição das estratégias da organização, e a dificuldade de coordenação do andamento de processos de forma eficiente, têm levado a maioria das empresas pequenas no Brasil a entrarem em falência até o quinto ano de existência. E para vencer esta carência de conhecimentos, as firmas precisam investir na implantação de metodologias de gestão para aperfeiçoar o fluxo de trabalho, aumentar a produtividade e reduzir os custos da empresa.

Morais (2010) afirma que a empresa bem administrada possibilita o funcionamento de forma correta, sistêmica e sinérgica, passando vida para os outros setores, o que acaba viabilizando a realização das atividades necessárias à messe de lucros e maximização de investimentos, mas acima de tudo, o controle eficaz da entrada e saída de recursos financeiros, podendo ser em forma de investimentos, empréstimos, etc., de modo a visionar a viabilidade dos negócios que proporcionem tanto o crescimento, quanto o desenvolvimento e estabilização via gestão.

Ainda segundo Morais (2010), para a superação dessa problemática, são imprescindíveis as informações do balanço patrimonial, no qual se contabilizam os dados da gestão financeira, que devem ser analisados detalhadamente para a tomada de decisões. É notável também desenvolver e prover auditorias internas para mensurar o desempenho das organizações, avaliando a situação financeira perante os impostos, contabilizando todo o seu patrimônio, elaborando os demonstrativos de resultado para maior eficácia nos lucros e maior lisura no empreendimento.

Nesse sentido é que o compliance atua como uma ferramenta para promover a conformidade, segurança das informações, posicionamentos, e deliberações corporativos aplicados pelos share e stakeholders.

De acordo com Coimbra e Manzi (2010), o verbo em inglês to comply significa cumprir, executar, obedecer e agir de acordo com uma regra, ou seja, compliance é estar em conformidade de fazer cumprir todas as normas e regulamentos internos, regimento interno ou normas externas impostas às atividades da organização, em geral, combater a improbidade administrativa, “com o objetivo de mitigar o risco atrelado à reputação e o risco legal/regulatório”.

Diante dos fatos, gerenciar riscos torna-se uma atribuição imprescindível nas companhias. Nesse período, fazer provisões, alocar recursos, verificar tendências, mensurar operações, reduzir incertezas e aproveitar oportunidades, pode ser crucial para a alavancagem e inovação das instituições.

Na análise de Almeida (2015), o plano de compliance atua na prevenção e detecção de atos ilícitos a partir da criação de estrutura organizacional e procedimentos internos, auditorias de incentivos à comunicação de não conformidades, que forneçam um diagnóstico e elaborem um prognóstico das condutas de seus colaboradores, com medidas de governança corporativa e aplicação efetiva de códigos de ética e de conduta no respectivo âmbito interno.

Covergindo neste mesmo prisma, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (2016) proclama que desde as pequenas empresas familiares até as organizações de grande porte e os órgãos do setor público podem se beneficiar com a implantação de um programa de compliance, afirmando que estes prospectos propiciam aos seus agentes a disseminação de uma cultura corporativa e reforçam sua responsabilidade com os valores e objetivos ali explicitados, basilarmente com o cumprimento da legislação.

Dessa forma, o fato do programa de compliance trazer paralelamente sanções institucionais, a transgressão da lei poderá representar para o administrador a aplicação de pesadas penalidades penais e administrativas, consoante Lei n. 12.846/2013, também chamada de Lei de Anticorrupção.

Com a edição da Lei de Anticorrupção há previsão expressa referente à existência do compliance, na empresa, enquanto parâmetro a ser considerado na aplicação das sanções previstas, representando um enorme avanço na forma de administração dos recursos monetários no Brasil, uma vez que passarão a serem seguidas regras rigorosas e claras no gerenciamento das finanças, de maneira equilibrada e transparente. Em caso de transgressão das normas ou de descumprimento da legislação, referida administração estará sujeita a sanções e vedações. Entretanto, a partir da introdução destas políticas, as instituições ficarão mais controladas e amparadas juridica e legalmente.

Convido você a analisar o impacto da implementação de controles internos e um projeto de compliance eficiente em seu estabelecimento, de modo a estabelecer uma metodologia a ser adotada para elaboração, conformação e execução do planejamento, monitoramento e vigilância do negócio, e fornecer confiabilidade nas informações para o devido suporte decisório na gestão e administração do negócio, além de preservar sua integridade e resiliência, assim como de seus colaboradores e da Alta Administração.

O Brasil tem chance de Entrar em Recessão Técnica Beira os 70%, diz Economista Oreiro

Recentemente, o economista José Luis da Costa Oreiro concedeu entrevista para o jornal El País Brasil, e falou sobre a atual política adotada pela equipe do ministro Paulo Guedes, e sobre a recolocação do país na rota do crescimento. 

Você já conferiu a matéria na íntegra? O que achou do posicionamento de Oreiro? Se você se interessa pelo assunto, e está procurando acompanhar as mudanças propostas pela equipe do atual Governo brasileiro, leia este artigo até o final e veja o que o especialista falou.

Segundo Oreiro, a economia brasileira já apresenta um cenário de retração, devido às quedas das projeções de crescimento e tendendo a uma nova recessão. Para ele, o momento é de aplicação de políticas econômicas, fiscal e monetária expansionistas, isto é, de não contingenciamento, mas de aumento do investimento público. Além de defender a reforma da Previdência, mas não julgar eficiente a curto prazo a medida, de modo a reduzir o impacto sobre as contas do Governo.

Além disso, defende a reforma da Previdência, mas não julga que a medida seja eficiente a curto prazo, de modo a reduzir o impacto sobre as contas do Governo. Para o economista, o objetivo principal é focar na reforma tributária, por meio da criação do Imposto de Valor Adicionado (IVA) e do desenvolvimento de uma indústria de defesa sofisticada no Brasil.

No que se refere à privatização de empresas, o economista, que também é professor na Universidade de Brasília (UNB), afirma que é preciso estudar caso a caso, não apenas para geração de caixa, pois a Petrobras e o Banco do Brasil, por exemplo, geram lucro e dividendos para o governo. Sobre isso, ele defendeu, ainda, que não é suficiente simplesmente privatizar para gerar caixa.

Logo, segundo o ponto de vista do entrevistado, hoje a política adotada pelo governo, representada pela equipe do ministro da economia Paulo Guedes, deveria investir em políticas monetárias e fiscais expansionistas, visto que o Brasil vem, desde a década de 90, sofrendo um longo processo de desindustrialização, fruto das políticas neoliberais e das movimentações produtivas mundiais, ligadas a uma maior dependência externa e perda de valor agregado.

Assim, com o atual cenário de um crescimento econômico lento e, por vezes estagnado, faz-se necessário estimular o consumo, para a manutenção do teto dos gastos da estrutura pública, pois é crescente o aumento das despesas com os juros da dívida pública e dos déficits das contas públicas, além do avanço da dívida líquida da União.

Em seu ponto de vista, para retornar com o investimento público em um momento de crise, é necessário espelhar-se em outros países que já passaram por situação semelhante. Ele menciona países como Estados Unidos, Japão e China, que tomaram medidas assertivas para saírem de crises pelas quais passaram.

O professor defende a existência de uma contrapartida contábil necessária, em que o setor público precisa aumentar seus gastos, para que o setor privado possa diminuir o dele. Isso seria necessário para que o resultado não seja uma queda considerável no nível de atividade. Essas ideias estão baseadas na teoria de Keynes, que defende a intervenção do estado na economia com o objetivo de atingir o pleno emprego, “Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda", gerando resultado na macroeconomia.

O especialista também elucida sobre a criação do Imposto de Valor Adicionado (IVA). A urgência e prioridade deveria ser a de concentrar esforços para aprovar a reforma tributária antes da previdenciária, uma vez que um dos grandes problemas do Brasil é a concentração excessiva de renda e riqueza.

Segundo o economista sustenta, uma solução eficaz seria a aplicação de uma espécie de imposto sobre grandes fortunas, por meio da tributação progressiva das rendas mais elevadas e o provisionamento dos gastos de bens públicos. Dessa forma, os gastos do Estado devem se dar de forma proporcional a provisão de bens públicos.

O outro grande problema seria a questão do emprego/desemprego, cujo diagnóstico estaria, de alguma forma, relacionado com a disposição de consumidores e investidores privados em gastar tanto quanto necessário até atingir o limite de produção de sua capacidade, como direcionar investimento público nas atividades mais intensivas em inovação.

É interessante destacar, ainda, que José Luis da Costa Oreiro considera que a reforma da previdência está mal encaminhada. Isso porque a introdução de um regime de capitalização prejudicaria ainda mais as contas do Governo, causando, dessa forma, uma verdadeira crise fiscal.

O especialista defende, ainda, que, apesar de a reforma ser necessária para resolver problemas a longo prazo, essa não é a melhor medida para resolver os problemas enfrentados atualmente. Para resolver o atual problema de estagnação pelo qual o país está passando, ele defende a necessidade da realização de uma coordenação entre as políticas fiscal e monetária.

Para ele, uma medida simples seria a redução de juros, por parte do Banco Central, de 6,5% para 5%. Ele considera que essa redução acarretaria na diminuição do custo de rolagem da dívida pública, gerando economia de cerca de 30 bilhões de reais, descontigenciando, assim, o orçamento federal, de modo a evitar que o investimento público sofra quedas ainda maiores.

No que se refere à decisão do Governo de não haver aumento real do salário mínimo no Brasil em 2020, o economista avalia que essa medida não permitirá desenvolvimento econômico. Ele explica que, para que o desenvolvimento aconteça, é necessário que o padrão de vida da população tenha possibilidade de aumentar.

Para Oreiro, a fórmula para o reajuste do salário mínimo deve ser pela meta da inflação, somada à “média móvel dos últimos cinco anos do crescimento da renda per capita”. Assim, ele defende que seria possível que, a médio prazo, produtividade e renda per capta cresçam juntas.

Por fim, cabe destacar a afirmação feita pelo especialista, sobre as chances de o Brasil entrar em recessão técnica. Considerando as recentes quedas sucessivas das projeções de crescimento, ele afirma que o segundo semestre pode apresentar números negativos de atividade econômica.

Portanto, é por isso que Oreiro defende que as chances de recessão técnica estão próximas dos 70%. Mas e você, a partir de tudo o que acabou de ler neste artigo, o que acha sobre isso? Concorda com o economista? Em tempos de crise, é necessário agir de forma eficaz para tirar o país da situação em que se encontra. Porém, parece que os dados não são muito positivos atualmente.

Se você gostou deste artigo, compartilhe-o com seus amigos, e não deixe de seguir acompanhando nossas próximas publicações.

Contato

Como podemos lhe ajudar?
Entre em contato conosco para conhecer mais os nossos serviços ou solicitar uma proposta.